DIÁRIO DE VIAGEM DO JORNALISTA NUNO FERREIRA (EX-EXPRESSO, EX-PÚBLICO) QUE ATRAVESSOU PORTUGAL A PÉ ENTRE FEVEREIRO DE 2008 E NOVEMBRO DE 2010. O BLOG INCLUI TODAS AS CRÓNICAS PUBLICADAS NA REVISTA "ÚNICA" EM 2008, BEM COMO AS QUE SÃO PUBLICADAS SEMANALMENTE NO SITE CAFÉ PORTUGAL. (Travel diaries of Nuno Ferreira, a portuguese journalist who crossed Portugal on foot from February 2008 to November 2010. contact: nunoferreira62@gmail.com ou nunocountry@gmail.com

18/11/08

BALADA DE UM PAÍS VAZIO

Barragem de santa Luzia
Barragem de Santa Luzia, Novembro de 2008. Dói ver um país assim. Enchem-se páginas de jornais e horas de telejornais sobre o silêncio de Manuela Ferreira Leite ou a eterna disponibilidade de Santana Lopes para ocupar cargos políticos. A mim dói-me mais o silêncio deste país esvaziado pela pobreza, emigração e incêndios. O que será deste território que atravesso daqui a 10 ou 15 anos? Atravesso aldeias inteiras de casas recuperadas e habitáveis onde não vive ninguém durante grande parte do ano. As festas anuais das aldeias concentram-se em Agosto, sobrepondo-se umas às outras para aproveitar a vinda dos emigrantes nas férias. Em Setembro, vai tudo embora: os emigrantes regressam a França, Alemanha, Suíça, Brasil. Os estudantes partem para as cidades apetrechadas com escolas politécnicas ou universidades. Nas aldeias ficam meia dúzia de idosos, alguns poucos jovens a trabalhar na construção civil ou nas madeiras, prontos a migrar também se um primo na Suíça os chamar. “Vou para a Islândia, o que é que achas de ir com o António para a Islândia?”, perguntava um funcionário da Câmara de Góis ao balcão de um restaurante local. “Tu vais é para casa que já bebeste demais. Tinhas de levar vários garrafões de vinho para te aguentares no frio”.

3 comentários:

jap disse...

Uma balada lê-se em silêncio.

Um abraço

Jorge

Paulo Sousa disse...

Gostei do blog e linkei-o.
Atravessar o horizonte a passo faz-nos observar detalhes que não existiriam de outra forma.
Tendo também já feito o caminho português de Santiago, digo-lhe mesmo que os galegos me disseram:
Bom caminho.
As descidas custam mais que as subidas, não é? Quem diria!!

Maria Lua disse...

Uma tristeza sem fim...
Parabéns pelo blogue, um retrato de Portugal lindíssimo e assustadoramente real.
Vou continuar a "seguir os seus pés"!
Obrigado pela partilha.

 
Site Meter